top of page
Buscar
  • Foto do escritorPaulo Lobato

Lastro ferroviário: manutenção

Atualizado: 25 de jun. de 2023

Introdução


Vimos no post anterior sobre os conceitos e características do lastro, para darmos continuidade a este assunto trouxemos o assunto sobre a manutenção do lastro. Com o tempo o lastro começa a se degradar devido aos esforços a que é submetido e, por isso, sua manutenção é imprescindível. Sendo assim, nesta postagem falaremos sobre controle de qualidade, limpeza e desguarnecimento e desc

arga de lastro, a fim de manter uma boa estabilidade, resistência e drenagem do mesmo.




Controle de qualidade do lastro


É muito importante avaliar a condição por meio do controle de qualidade e manutenção, uma vez que isso reduzirá as intervenções de socaria da linha. Para isso, podemos contar com a utilização de tecnologias que auxiliam na avaliação da superfície e do interior do lastro, como radar de penetração no solo (GPR), escaneamento a laser e câmeras lineares, integradas com GPS e vídeo.


As consultorias especializadas no fornecimentos deste tipo de solução conseguem entregar um relatório completo da inspeção da via, para avaliar sua qualidade. Para isso, elas utilizam diferentes sensores e instrumentos instalados nos veículos dos clientes e veículos próprios.



Estas consultorias possuem equipes especializadas para conduzir a avaliação do lastro e emitem um relatório completo sobre a situação, evidenciando suas necessidades. Com isso, posteriormente fica muito mais fácil direcionar a equipe de manutenção para o serviço e local corretos de forma bem planejada, antes que a situação se agrave.


Ground Penetrating Radar (GPR)


O GPR é um equipamento que utiliza ondas eletromagnéticas para avaliar as diferentes camadas do solo.


Escâner laser


O escâner laser, ou laser scanning, tem a função de mapear o perfil da via, ativos e sistema de drenagem.


Câmeras Lineares


As câmeras lineares tem como função mapear o tamanho de partículas, afloramento de lama, desgaste de agulha e componentes de via.


Limpeza e desguarnecimento de lastro


O objetivo da limpeza/desguarnecimento do lastro é fazer com que este retorne com suas características adequadas, mantendo uma boa elasticidade, drenagem e capacidade de suporte.


A limpeza pode ser feita de maneira manual e mecanizada. Existem vários modelos de desguarnecimento mecanizado, dentre os quais podemos citar os seguintes equipamentos de desguarnecimento:

  • Desguarnecedora total

  • Desguarnecedora de ombro

  • Desguarnecedora a vácuo

  • Escavadeira de desguarnecimento


Recomendações de limpeza conforme norma - ABNT NBR 7914:1990

Limpeza do lastro

  • Deve ser feita periodicamente entre os dormentes e na banqueta (ombro).

  • Embaixo do dormente só se deve fazer em função de inspeção técnica que a determine e sempre que possível, por processo mecânico que permita a retirada do lastro, sua recuperação, reestabelecimento do perfil da plataforma, relastramento, socaria, nivelamento e alinhamento.

  • Quando essa limpeza se fizer manualmente ou com equipamento mecânico, não devem ser desguarnecidos mais de quatro dormentes consecutivos ou mais de 20% dos dormentes de um mesmo trilho.

  • A limpeza embaixo do dormente não deve ser executada em tempo chuvoso.


Limpeza até a face inferior do dormente

  1. Retirar parcialmente ou totalmente o lastro na seção transversal da linha ( sentido do comprimento do dormente) com utilização de ferramenta adequada. Sendo que em linha dupla, a seção desguarnecida deve ser considerada até a metade da entrevia.

  2. O material retirado poderá retornar para a via após ser peneirado.

  3. Recompor o lastro preenchendo os vazios existentes com lastro novo, se for o caso.

  4. Socar convenientemente o lastro sob o dormente, recolocando a linha nas condições geométricas especificadas para a mesma.

  5. O rejeito constituído de minério, brita fina e outros, deverão ser coletados e descartados adequadamente para que não retornem para a via com a próxima chuva.


Limpeza até 30 cm abaixo da face inferior do dormente

  • Não se recomenda exceder a extensão de 5 metros e profundidade de 30 cm, pois se a atividade se torna antiprodutiva.

  • Não se recomenda abrir vãos maiores que 1,20m. Antes de avançar para os próximos 1,20m, deve-se recompor o lastro e efetuar socaria manual do local já desguarnecido.

  • Em extensões maiores que 5 metros, deve-se programar atividade mecanizada.

Desguarnecimento total do lastro

  • Em linhas duplas, a seção transversal de desguarnecimento de cada linha deve ser limitada até a metade da entrevia entre uma e outra via.

  • Em linhas singelas, o desguarnecimento deverá atingir toda a seção transversal típica.

  • Deve-se sempre respeitar as inclinações da plataforma de forma a guiar a água para o sistema de drenagem.

  • Em linha dupla, a inclinação não deverá direcionar a água para a linha adjacente.

  • Deve-se aproveitar a oportunidade do desguarnecimento para ajustar as cotas de topo do trilho rebaixando a linha e reestabelecendo a altura ideal do lastro.

  • Quando possível, deve-se associar o desguarnecimento à aplicação de manta geotêxtil e geogrelha para mitigar a penetração de lastro na plataforma e o bombeamento de finos.

  • A espessura de lastro não desguarnecida atuará como sublastro já compactado pela ação do tráfego.

  • Após o desguarnecimento e reposição do lastro faltante, deve-se realizar a correção geométrica da linha e a regularização do lastro.



Equipamentos para limpeza mecanizada


Desguarnecedora total

  • Equipamento para remoção, recolhimento e peneiramento de lastro sob dormentes através de corrente

  • Vantagem: Peneira lastro e alta produtividade

  • Desvantagem: Alto custo e necessidade de gabarito

  • Produtividade: 120 m³/h

  • Custo aproximado: R$ 45 MM


Desguarnecedora a vácuo

  • Equipamento para aspirar lastro sob e entre dormentes através de bico de sucção.

  • Vantagem: Flexibilidade para atuação em túneis, AMV’s e pontes lastradas

  • Desvantagem: Custo médio, não peneira lastro e possui baixa produtividade

  • Produtividade: 39 m³/h (0,5 dorm./min)

  • Custo da desguarnecedora: R$ 16,47 MM

  • Custo de manutenção: R$ 720 M a.a.



Desguarnecedora de ombro

  • Equipamento de remoção e recolhimento de lastro sob dormentes através de correia dentada

  • Vantagem: Custo médio e compacto

  • Desvantagem: Não peneira lastro

  • Produtividade: 78,6 m³/h a 118m³/h (1,0 a 1,5 dorm./min)

  • Custo aprox. do equipamento: R$ 20 MM


Escavadeira de desguarnecimento


  • Implemento de escavadeiras de pequeno, médio e grande porte para remoção de lastro sob dormentes através de correia dentada.

  • Vantagem: Baixo custo e compacto

  • Desvantagem: Não recolhe peneira lastro, não trabalha em cortes apertados

  • Produtividade: 106m³/h a 129m³/h (2,25 a 2,75 dorm./min)

  • Custo de implemento: R$ 400 M

  • Custo de escavadeira: R$ 650 M

  • Custo rodoferroviário: R$ 200 M

  • Custo de manutenção: R$ 21 por hora produtiva

  • Para entender mais sobre desguarnecimento adquira nosso curso, onde falamos, também, sobre alguns casos de desguarnecimento.


Descarga de lastro


A descarga de lastro deve ser realizada quando necessária, na quantidade necessária e no local correto, para que não ocorram os problemas listado abaixo:

Orientações de segurança na descarga de lastro

Já falamos em outras postagens, mas é sempre importante mencionar a importância do uso de EPI's.

Abaixo, seguem algumas informações de segurança:

  • Utilize todos os EPI’s em todo o momento da descarga.

  • Atenção à posição ergonômica durante a descarga

  • Cuidado ao caminhar devido a risco de tropeços e torções

  • Siga sempre as instruções do encarregado de descarga

Instruções gerais para descarga de lastro


1. Limpar a lateral da via de obstáculos antes de iniciar a descarga

2. Destravar as comportas (tremonhas) de descarga antes de iniciar a descarga

3. Controlar a abertura das comportas dos vagões

4. Descarregar o material no local definido pelo encarregado


Vagão de Descarga HNE



Vagão de descarga (HAD)


Comporta de descarga

  • Descarga central ou lateral


Controle de descarga


O controle de descarga é utilizado para controlar a quantidade e o local de descarga. Um exemplo é controle de descarga aberta


Descarga do lastro


Conclusão


Finalizamos mais uma postagem, onde vimos a importância da manutenção do lastro. Além disso, foram mostrados os equipamentos utilizados no desguarnecimento do lastro. Foiram mencionadas também as recomendações para limpeza do lastro de acordo com a norma ABNT NBR 7914:1990 e o controle de qualidade para evitar as intervenções de socaria na linha.


Escrito por Paulo Lobato e Laura Lima

Especialista em manutenção de via permanente ferroviária e gestão de projetos com 15 anos de experiência profissional

Engenheiro Civil formado pela UFMG em 2010 com curso de extensão em ferrovia e transportes pela École Nationale des Ponts et Chaussées em Paris/França

Certificado em Gestão de Projetos pelo Project Management Institute (PMI)

Pós-graduado em Engenharia Ferroviária pela PUC-Minas

Pós-graduado em Gestão de Projetos pelo IETEC

Pós-graduado em Restauração e Pavimentação Rodoviária pela FUMEC

Contato: (31) 98789-7662

E-mail: phlobato01@gmail.com





Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page